You are not connected to the internet and now in offline mode. Only pages or articles you visited while connected will be available.

Get notified when a new tutorial is published!

General Topics

Tutorial 513

Afogamento

S. J. Jonker1†, T. Greven2

1Anaesthetic Speciality Trainee, Radboudumc, The Netherlands

2Anaesthetist, UMC Utrecht, The Netherlands

Consultor Supervisor: Dr. J. J. L. M. Bierens, Visting Professor, Extreme Environments Laboratory, School of Sport, Health and Exercise Science, University of Portsmouth

Edição: Dr. Alex Konstantatos, Consultant Anaesthetist, Alfred Hospital, Melbourne, Australia

E-mail do autor correspondente: simone.jonker@radboudumc.nl

2 de janeiro de 2024

PONTOS CHAVE

• O afogamento envolve comprometimento respiratório por submersão/imersão em líquido. Os resultados do afogamento são classificados como morte, morbidade e sem morbidade.

• A fisiopatologia do afogamento é complexa, em grande parte desconhecida, variando com a temperatura da água e com a imersão ou submersão.

• O manejo da insuficiência respiratória para vítimas de afogamento requer oxigenação e pressão expiratória final positiva, seja por ventilação não invasiva ou invasiva.

• Tempo de submersão curto, resgate rápido e administração rápida de respiração de socorro são cruciais para um bom prognóstico.

• O resfriamento rápido do cérebro antes da asfixia é neuroprotetor.

INTRODUÇÃO

O afogamento é a terceira principal causa de morte por lesão não intencional em todo o mundo, afetando aproximadamente 236.000 vítimas por ano. Isso apesar de uma redução nas taxas de afogamento não intencionais de 44,5% entre 1990 e 2017.1 Os números gerais de afogamento também devem incluir afogamentos intencionais, relacionados ao transporte e desastres naturais, tornando o fardo global do afogamento muito maior. Considerando esses números, a prevenção do afogamento deve estar na agenda global.2 Discussões detalhadas sobre a prevenção do afogamento estão além do escopo deste tutorial. A Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou um guia de medidas preventivas.2

A mortalidade associada ao afogamento não intencional é geralmente maior em crianças, em homens e em países com um índice sociodemográfico de baixo a médio.3

Definição

O afogamento envolve comprometimento respiratório por submersão (vias aéreas superiores sob a água) ou imersão (vias aéreas superiores acima da água) em líquido. É um processo e não uma etapa final. Para evitar confusão e promover o entendimento, consistência na notificação e pesquisa, a OMS definiu afogamento como o processo de experimentar comprometimento respiratório por submersão/imersão em líquido. Os resultados são classificados como morte, morbidade e sem morbidade. Pelas mesmas razões para definir uma definição universal, também foi aconselhado evitar termos confusos como afogamento molhado, seco, quase afogamento e afogamento secundário.4,5

FISIOPATOLOGIA

A fisiopatologia do afogamento é complexa, em grande parte desconhecida e varia entre eventos de imersão e submersão. Ao mesmo tempo, uma vítima inicialmente imersa pode se tornar submersa. Como resultado, diversos eventos fisiopatológicos em diferentes combinações e sequências de tempo podem ocorrer. Este tutorial discutirá teorias mais relevantes para anestesiologistas.6

Efeito da Temperatura da Água

Efeitos da Imersão em Água Quente

A temperatura da água pode influenciar significativamente a fisiopatologia do afogamento. O afogamento em água quente ocorre principalmente no Japão, onde o banho de Ofuro faz parte da cultura e acredita-se que tenha efeitos homeostáticos benéficos. O afogamento ocorre ao sair de um banho quente devido à perda de pressão hidrostática da água. Isso induz hipotensão, levando à hipoperfusão de órgãos críticos. Isso representa uma ameaça em indivíduos idosos e especialmente aqueles com hipertensão coexistente, doença arterial coronariana e insuficiência cardíaca congestiva.6

Efeitos Periféricos da Imersão em Água Fria

Embora se espere que mais afogamentos ocorram em água tépida ou quente devido à mudança climática, a imersão prolongada em água fria ocorre mais frequentemente do que a imersão em água quente. O choque frio, o resfriamento de nervos e músculos superficiais e a hipotermia iniciam respostas centrais que podem levar ao afogamento. Em caso de imersão súbita em água fria, um choque frio pode se desenvolver devido à estimulação intensa de receptores de frio na pele. Isso causa arfada reflexiva e hiperventilação. A arfada e hiperventilação deprimem a capacidade de segurar a respiração, o que aumenta o risco de aspiração de água e afogamento.6

Após o resfriamento da pele, nervos e músculos superficiais são funcionalmente deprimidos pela temperatura fria. O desempenho muscular diminui aproximadamente 5% para cada grau de redução na temperatura muscular. Temperaturas musculares abaixo de 20°C reduzem a velocidade e amplitude dos potenciais de ação nervosa. Temperaturas musculares de 5-15°C podem levar ao bloqueio do nervo periférico. O resfriamento dos músculos e nervos nos membros pode causar o afogamento de um indivíduo por incapacitação física antes que a hipotermia central se instale.6

Efeitos Centrais da Imersão em Água Fria

A hipotermia central tem várias etapas, embora a apresentação clínica nem sempre corra com a temperatura real (Tabela). A hipotermia central desacelera o metabolismo celular em todos os órgãos. Isso reduz a função do cérebro, coração e pulmões. O comprometimento de um ou mais desses órgãos pode converter um evento de imersão em um evento de submersão devido à diminuição da consciência e falência cardíaca ou respiratória.6

Os efeitos cardiovasculares incluem bradicardia progressiva por um efeito direto nas células marca-passo, com desaceleração progressiva da condução miocárdica. Fibrilação ventricular (FV) pode ocorrer espontaneamente em temperaturas abaixo de 28°C ou após manipulação de indivíduos com hipotermia menos grave. Distúrbios de coagulação podem ocorrer devido a alterações na viscosidade do sangue e disfunção dos fatores de coagulação. A falência circulatória induz acidose metabólica. A acidose pode piorar durante o reaquecimento terapêutico devido à melhor perfusão nos órgãos que estavam em estado hipóxico. Outros contribuintes para a acidose metabólica incluem o metabolismo ineficaz de glicose e lactato no fígado e capacidade renal reduzida para manter a homeostase ácido-base.6

Indivíduos com hipotermia grave estão profundamente em coma. Observações clínicas de sinais vitais podem ser difíceis devido à baixa taxa respiratória e bradicardia grave. Também podem estar presentes reflexos ausentes e pupilas dilatadas, o que pode levar à conclusão de que o indivíduo está morto. Por essa razão, uma citação tradicional é que “ninguém está morto até estar quente e morto.” A implicação é que as tentativas de reaquecer pessoas profundamente hipotérmicas precisam ser iniciadas antes que a pessoa possa ser formalmente declarada morta.6,7

Tabela. Classificação da hipotermia central de acordo com o Sistema Suíço de Classificação. O Sistema Suíço Revisado é útil para classificar a hipotermia na ausência de medição confiável da temperatura central.11

Apneia e Reflexo de Mergulho

Quando ocorre a submersão, a capacidade de segurar a respiração é crucial. O impulso para respirar pode ser temporariamente suprimido ao engolir. Isso pode prolongar o tempo de apneia até que os níveis de oxigênio e dióxido de carbono no sangue acionem um impulso irresistível para respirar. O tempo de apneia é influenciado por múltiplos fatores, como taxa metabólica, hiperventilação prévia e experiência com as sensações físicas desagradáveis de segurar a respiração prolongadamente. A intoxicação por álcool diminui o tempo de apneia e, no contexto do choque frio, segurar a respiração pode se tornar impossível. O tempo de apneia pode variar; em água fria, é descrito um intervalo de 10 a 100 segundos, enquanto em água quente, de 45 segundos a 20 minutos foram descritos, com este último ocorrendo em mergulhadores experientes após pré-oxigenação.6,8,9

Ao lado da apneia, o reflexo de mergulho pode explicar por que vítimas de afogamento conseguem sobreviver após submersões prolongadas. Trata-se de uma resposta cardiovascular que protege contra a hipóxia e é mais ativa em crianças. A ativação de receptores de frio faciais resulta em vasoconstrição periférica e bradicardia, reduzindo o consumo total de oxigênio do corpo e retardando a dessaturação de oxigênio.6,9

Espasmo Laríngeo e Aspiração

O espasmo laríngeo pode ser protetor até que um rápido resgate ocorra, mas embaixo d’água se resolverá rapidamente com hipóxia progressiva e tentativas contínuas de respirar. Por outro lado, a ocorrência de espasmo laríngeo pode causar pressões hidrostáticas negativas extraordinárias durante esforços inspiratórios forçados, resultando em transudato nos alvéolos e edema pulmonar.6

Durante o processo de aspiração de água, o surfactante nos alvéolos é danificado e lavado, causando colapso alveolar, descompensação ventilação-perfusão, shunt e insuficiência respiratória. A aspiração de água suja ou conteúdo estomacal frequentemente resulta em pneumonia.6

A aspiração de água hipo- ou hipertônica também danifica a membrana alvéolo-capilar alterando o equilíbrio da pressão oncótica/hidrostática atuando sobre os capilares alveolares. Isso resulta em vazamento de plasma para os alvéolos, causando edema pulmonar. O edema pulmonar também pode ocorrer devido a alterações na permeabilidade da barreira sangue-pulmão por causa de aumentos nas catecolaminas circulantes provocadas por hipóxia e estresse. O plasma entrando nos alvéolos ameaça ainda mais a oxigenação e ventilação através da formação de edema intercelular e espuma nos alvéolos e vias aéreas.6

A maioria dos exames post-mortem tipicamente mostra traços de líquido nos pulmões por aspiração. A ausência de líquido nos pulmões após a morte por afogamento é geralmente explicada pela ocorrência de espasmo laríngeo; alternativamente, pulmões secos podem ser explicados pelo indivíduo estar morto antes da imersão ou submersão.6

Neurofisiologia

O resultado neurológico desempenha um papel importante na mortalidade e morbidade após afogamento. Os detalhes das mudanças cerebrais com o afogamento ainda são em grande parte desconhecidos. A velocidade com que a hipóxia, devido à asfixia, e a hipotermia (se presente) ocorrem parece influenciar as mudanças cerebrais e o resultado neurológico. A velocidade de resfriamento é determinada pela temperatura da água e quanto de água fria foi inalada ou ingerida. O fluxo sanguíneo cerebral após o afogamento declina rapidamente com a submersão em agua fria. O fluxo sanguíneo é cerca de 50% menor a uma temperatura da água de 0°C. A hiperventilação pode causar uma queda no pCO2 arterial, resultando em vasoconstrição cerebral. A redução do fluxo sanguíneo cerebral é menor se os indivíduos conseguirem suprimir a hiperventilação e se adaptarem às temperaturas frias.10

O tempo que o cérebro é capaz de suportar a depleção de oxigênio e substratos energéticos está fortemente correlacionado com a temperatura. O resfriamento rápido do cérebro antes da ocorrência de parada circulatória hipóxica pode ser crucial para um bom prognóstico. A proteção cerebral é maior com hipotermia no momento da perda de circulação. Nestas vítimas, o cérebro tem tempo para esfriar enquanto a parada cardíaca ainda não ocorreu. Uma vez que ocorra, o cérebro hipotérmico estará melhor protegido contra os efeitos da hipóxia progressiva.6,10

TRATAMENTO

A maioria das vítimas de afogamento consegue se salvar ou são resgatadas por transeuntes ou profissionais e não requerem cuidados médicos. Cuidados médicos são necessários em 1-6% de todos os resgates, e menos de 0,5% de todos os resgates envolvem suporte básico de vida (SBV). Este tutorial fornece uma visão geral do tratamento de melhor prática; no entanto, há apenas evidências de estudos observacionais para informar diretrizes de prática clínica para afogamento. As evidências existentes são principalmente de países de alta renda e carecem de uniformidade.11,12

O Paciente com respiração espontânea

Ao ser confrontado no departamento de emergência com uma vítima de afogamento que respira, uma abordagem regular de via aérea–respiração–circulação (ABC), com ênfase na oxigenação precoce, é a melhor prática. A avaliação da respiração e oxigenação adequadas é baseada na avaliação clínica dos sinais vitais, ausculta pulmonar, oximetria de pulso, análise de gases sanguíneos, raio-X do tórax e, recentemente, ultrassom pulmonar.13 A hipóxia em vítimas de afogamento é devida a uma combinação de insuficiência respiratória e líquido nos pulmões. Pode ser necessário o uso de pressão expiratória final positiva (PEEP) para melhorar a oxigenação. Se apropriado, pode-se usar ventilação não invasiva (VNI). O uso de VNI pode evitar a necessidade de intubação em indivíduos não comatosos. A VNI eficaz no afogamento é principalmente observada em pessoas hemodinamicamente estáveis com uma pontuação inicial na Escala de Coma de Glasgow >12.14 O tratamento de vítimas de afogamento que necessitam de suporte respiratório assemelha-se ao tratamento de um indivíduo com síndrome do desconforto respiratório agudo, embora uma vítima de afogamento tenha o potencial de se recuperar mais rapidamente. Na maioria dos pacientes, são necessárias 48 horas de ventilação para a regeneração adequada do surfactante.6,7

Embora a hipoxemia seja o principal fator que influencia o resultado em vítimas de afogamento, a persistência da hipotermia também desempenha um papel. Quando os socorristas falham em isolar adequadamente o corpo da vítima de afogamento, a hipotermia pode progredir. O resfriamento adicional após um resgate pode ocorrer especialmente se o indivíduo for incapaz de tremer devido a hipotermia profunda ou exaustão. Como consequência disso, perda de consciência e depressão respiratória podem ocorrer, o que pode contribuir ainda mais para a hipoxemia. Tratar a hipotermia existente, bem como minimizar as diminuições contínuas na temperatura central, é essencial para diminuir o risco de parada circulatória devido a hipotermia profunda.7

O risco de aspiração pode ser aumentado através de tentativas de remover água dos pulmões com compressões abdominais ou posicionamento descendente da cabeça. Essas manobras devem ser evitadas. O tratamento antibiótico profilático não é indicado, pois a carga bacteriana em piscinas, rios e praias é frequentemente insuficiente para induzir pneumonia. Pneumonia se desenvolve em menos de 15% das vítimas de afogamento admitidas no hospital. O tratamento antibiótico baseado apenas em achados clínicos e radiológicos não é aconselhado e deve ser baseado em culturas positivas. Além disso, o tratamento antibiótico profilático está associado a uma taxa maior de infecções hospitalares resistentes ao tratamento. A incidência de pneumonia aumenta para 34-52% na terceira ou quarta semana de hospitalização entre aqueles que permanecem ventilados, e um monitoramento próximo dos parâmetros de infecção e culturas é necessário quando uma pessoa afogada permanece em um ventilador por um período prolongado de tempo.7,14

O Paciente sem respiração espontânea

Em uma vítima que não está respirando, a ressuscitação cardiopulmonar de acordo com as diretrizes de suporte básico de vida (SBV) ou suporte avançado de vida (SAV) geralmente já foi iniciada no ambiente pré-hospitalar. O SBV é mais eficaz quando iniciado com cinco respirações de socorro iniciais, pois a causa mais provável da parada é hipoxia. Ventilações iniciais com alta pressão de insuflação são frequentemente necessárias com o objetivo de superar a complacência pulmonar prejudicada devido a líquido e espuma obstruindo as vias aéreas.6,7,11 Embora verdadeiro para todas as ressuscitações, é importante entender que quanto mais cedo após o afogamento a ventilação for iniciada, melhor o prognóstico neurológico. Isso tem a ver com a causa anóxica da parada cardíaca resultando ou em uma pessoa que parece morta mas ainda tem circulação (na qual a ventilação melhorará a circulação) ou em uma pessoa com deficiência de oxigênio no início da ressuscitação (onde não faz sentido circular sangue hipóxico apenas por compressões). Sob certas circunstâncias, um socorrista treinado pode até começar a ventilação assistida enquanto a pessoa ainda está na água.7,11,12

Em geral, uma parada cardíaca causada por anóxia é precedida por um período de bradicardia progressiva e distúrbios de ritmo não chocáveis; VF é raro. Por essa razão, o uso de um desfibrilador externo automático (DEA) tem baixa prioridade na ressuscitação por afogamento e é melhor acoplar o DEA uma vez que o SBV de boa qualidade é realizado.7,11,12

A hipotermia em vítimas de afogamento pode, no entanto, complicar o SBV e o SAV porque os sinais vitais são difíceis de detectar em hipotermia extrema. A melhor abordagem é permitir que a primeira pessoa dedique 1 minuto para a detecção de sinais vitais enquanto uma segunda pessoa inicia as respirações de socorro. A intubação não deve ser atrasada considerando que os benefícios da oxigenação adequada e proteção contra aspiração superam o risco de induzir VF através da manipulação do indivíduo.7

A hipotermia pode tornar o coração irresponsivo a medicamentos cardioativos, marca-passo elétrico ou desfibrilação. Também pode predispor à toxicidade medicamentosa devido ao metabolismo e excreção lentos. Em indivíduos com temperatura abaixo de 30°C, não deve ser administrado medicamento. Entre 30 e 35°C, os intervalos de dosagem de medicamentos devem ser dobrados em comparação com a dosagem regular.7

Como a maioria das arritmias desaparece após o aquecimento, e porque a bradicardia na hipotermia é fisiológica, o marca-passo é indicado apenas no caso de bradicardia clinicamente relevante persistente após alcançar a normotermia. No caso raro de VF em um indivíduo com temperatura abaixo de 30°C, um choque de desfibrilador pode ser entregue de acordo com o protocolo SAV com um máximo de três. No entanto, a resposta aos choques pode não ocorrer a menos que a temperatura central aumente para níveis de hipotermia leve.6,7,11

O uso de um termômetro capaz de medir temperaturas extremas é essencial para orientar a ressuscitação após afogamento. A temperatura esofágica inferior correlaciona-se bem com a temperatura do coração, mas o mais importante é que a medição da temperatura deve ser de um local consistente. Embora o tratamento possa exigir um desvio do protocolo SAV padrão, a hipotermia protege o cérebro contra hipóxia quando a hipotermia precedeu a asfixia.6,7

Vítimas de afogamento sofrendo parada cardiorrespiratória podem responder ao suporte de vida extracorpóreo (SVEC). SVEC, quando disponível, pode desempenhar um papel na ressuscitação, bem como no reaquecimento do indivíduo. O reaquecimento usando SVEC pode ser considerado em em indivíduos com uma temperatura central <32,8°C e níveis de potássio <8 mmol/L. Resultados promissores com SVEC em vítimas de afogamento foram observados em jovens com hipotermia <28,8°C. A técnica preferida é a oxigenação por membrana extracorpórea veno-arterial devido à capacidade de manter suporte circulatório após o aquecimento e a necessidade limitada de anticoagulação.15,16

Durante o aquecimento, pode ocorrer vasodilatação e podem ser necessárias medidas de ressuscitação adicionais. Em casos de retorno da circulação espontânea (RCE), deve-se seguir o protocolo SAV padrão. Isso inclui objetivos de prevenir a hipertermia, seja causada por infecção ou outros mecanismos, visando o equilíbrio eletrolítico normal, normoglicemia e prevenção de danos cerebrais secundários. A decisão de persistir com a ressuscitação agressiva em vítimas que podem responder a este tratamento é difícil e deve ser reservada para médicos experientes.7,10,17,18

PROGNÓSTICO

Há vários fatores que podem melhorar o prognóstico. Todos esses fatores estão relacionados a um curto período de hipóxia e incluem uma duração mais curta de submersão devido ao resgate rápido por transeuntes e à chegada mais rápida de pessoal qualificado para manter a ressuscitação.7,17 Os socorristas devem, no entanto, também considerar sua própria segurança primeiro ao tentar um resgate; todos os anos, muitos indivíduos se afogam tentando ajudar uma vítima de afogamento.19 Fatores associados a um prognóstico mais pobre incluem encontrar a vítima inconsciente com pupilas dilatadas não responsivas, necessidade de intubação no local ou na chegada ao departamento de emergência e vítimas que precisam receber SVEC e que estão severamente acidóticas.12,17

RESUMO

A lesão por afogamento envolve muitos cenários nos quais a hipóxia, temperatura, inalação de líquido, duração do insulto e iniciação e qualidade do resgate e ressuscitação desempenham papéis importantes. A hipotermia é o acompanhamento mais comum a um insulto cardiorrespiratório e pode influenciar significativamente o manejo. A presença de hipotermia antes da hipóxia pode ser protetora. A ressuscitação deve priorizar o tratamento da hipóxia, começando com 5 respirações de socorro e a introdução de PEEP através de VNI ou ventilação invasiva. Durante a ressuscitação contínua, o impacto da hipotermia severa sobre a circulação deve ser considerado, pois isso pode necessitar de desvio dos protocolos padrões de manejo da ressuscitação.

REFERÊNCIAS

  1. Franklin R, Peden A, Hamilton E, et al. The burden of unintentional drowning: global, regional and national estimates of mortality from the Global Burden of Disease 2017 Study. Inj Prev. 2020;26:i83-i95.
  2. Scarr JP, Jagnoor J. Identifying opportunities for multisectoral action for drowning prevention: a scoping review. Inj Prev. 2022;28(6):585-594. doi:10.1136/ip-2022-044712
  3. World Health Organization. Preventing Drowning: An Implementation Guide. 2017. Accessed June 23, 2023. https://www. who.int/publications-detail-redirect/9789241511933
  4. World Health Organization. Fact Sheet: Drowning. Accessed June 23, 2023. https://www.who.int/news-room/fact-sheets/ detail/drowning
  5. Van Beeck E, Branche C, Szpilman D, Modell J, Bierens J. A new definition of drowning: towards documentation and pre- vention of a global public health problem. Bull World Health Org. 2005;83:853-856.
  6. Bierens J, Lunetta P, Tipton M, Warner D. Physiology of drowning: a review. Physiology. 2016;31:147-166.
  7. Szpilman D, Morgan P. Management of the drowning patient. Chest. 2021;159(4):1473-1483.
  8. Suggitt C. 56-year-old freediver holds breath for almost 25 minutes breaking record. Guinness World Records. Published May 12, 2021. Accessed June 23, 2023. https://www.guinnessworldrecords.com/news/2021/5/freediver-holds-breath-for- almost-25-minutes-breaking-record-660285
  9. Tetzlaff K, Lemaitre F, Burgstahler C, Luetkens JA, Eichhorn L. Going to extremes of lung physiology-deep breath-hold div- ing. Front Physiol. 2021;12:710429.
  10. Topjian A, Berg R, Bierens J, et al. Brain resuscitation in the drowning victim. Neurocrit Care. 2012;17(3):441-467.
  11. Truhlár A, Deakin C, Soar J, et al. European Resuscitation Council guidelines for resuscitation 2015 section 4. Cardiac arrest in special circumstances. Resuscitation. 2015;95:148-201.
  12. Bierens J, Abelairas-Gomez C, Barcala Furelos R, et al. Resuscitation and emergency care in drowning: a scoping review. Resuscitation. 2021;162:205-217.
  13. Bloise S, Martucci V, Marcellino A, Sanseviero M, Lubrano R. Lung ultrasound in children drowning victims in pediatric emergency department. Pediatr Int. 2022;64(1):e15095. doi:10.1111/ped.15095
  14. Michelet P, Bouzana F, Charmensat O, et al. Acute respiratory failure after drowning: a retrospective multicenter survey. Eur J Emerg Med. 2017;24:295-300.
  15. Visser K, Schepp R. The treatment of accidental hypothermia and drowning with the aid of extracorporeal circulation/ ECMO. J Cardiothorac Surg. 2013;8(1):O83.
  16. Jasny T, Kloka J, Old O, et al. Results from 237 extracorporeal membrane oxygenation runs with drowned patients: a nationwide retrospective study. Crit Care. 2023;27(1):293. doi:10.1186/s13054-023-04580-w
  17. Quan L, Bierens J, Lis R, Rowhani-Rahbar A, Morley P, Perkins G. Predicting outcome of drowning at the scene: a system- atic review and meta-analyses. Resuscitation. 2016;104:63-75.
  18. Brennan CE, Hong TKF, Wang VJ. Predictors of safe discharge for pediatric drowning patients in the emergency depart- ment. Am J Emerg Med. 2018;36(9):1619-1623. doi:10.1016/j.ajem.2018.01.050
  19. Lawes JC, Rijksen EJT, Brander RW, Franklin RC, Daw S. Dying to help: fatal bystander rescues in Australian coastal environ- ments. PLoS One. 2020 Sep 16;15(9):e0238317. doi:10.1371/journal.pone.0238317
Tutorial Outline